Faculdades mudam para abranger novas mídias e se adaptar ao mercado

twitter

JAMES CIMINO (Folha de São Paulo, 14/07/2009)
DA REDAÇÃO

“Agora que não precisa mais de diploma, as pessoas começaram a pensar que jornalismo não é mais profissão, é bico…”, diz o aluno do 4º ano do curso de jornalismo do Mackenzie Diego Estrella, 24.
O fim da exigência do diploma despertou um sentimento de frustração em parte dos alunos. Mas a mudança acontece justamente no momento em que alguns dos principais cursos se reciclam, procurando familiarizar o estudante com as novas mídias e com a realidade do mercado de trabalho.

Pelo menos três cursos de São Paulo reformularam suas grades curriculares: PUC, Mackenzie e Cásper Líbero.

Apesar de as mudanças ocorrerem em um momento-chave para a profissão, coordenadores e professores afirmam que elas nada têm a ver com o fim da exigência do diploma.

A PUC-SP pretende criar uma agência de notícias on-line até o final de 2010. A Cásper Líbero tornará obrigatório, já no primeiro ano, o uso de blogs e até do Twitter. Já o Mackenzie reformulou o currículo todo. Criou disciplinas, desmembrou outras, mudou nomenclaturas e reorganizou a carga horária.

“Não nos preocupamos muito com essa discussão de que a internet vai acabar com os jornais. Preparamos nosso aluno para trabalhar com a base da informação, que é texto, imagem e som, adaptados a todas as plataformas [TV, rádio, impresso e internet]”, diz Marcelo José Abreu Lopes, que coordenou a mudança no Mackenzie.

As faculdades ainda não sabem que impacto o fim da exigência do diploma terá na procura pelo curso.

O coordenador de jornalismo da ECA-USP, José Coelho Sobrinho, lembra que o exercício da publicidade, por exemplo, não exige diploma. Mas mesmo assim o curso está entre os mais concorridos na USP.
Segundo ele, uma eventual mudança no currículo pode acontecer apenas a partir de maio de 2010, mas não por causa do fim da exigência. “Jornalismo não é só técnica.”

O coordenador do curso da PUC-SP, Marcos Crippa, também minimiza a exigência do diploma, embora diga que só saberá os efeitos da decisão do STF no próximo vestibular.

“Se fizéssemos alguma mudança só por causa da queda do diploma, seria admitir que estávamos oferecendo um curso inadequado. O que pretendemos discutir é o que isso implica para a sociedade e como formar um jornalista crítico e transformador.”

A coordenadora do curso de jornalismo da FMU, Marcia Furtado Avanza, conta que alguns alunos perguntaram se poderão fazer pós-graduação, agora que “o diploma não vale mais”. “Acho importante esclarecer aos estudantes que o diploma continua “valendo”, só não é mais exigência para o exercício da profissão.”

Na Cásper, o impacto da exigência ou não do diploma é “indiferente”, diz o coordenador Carlos Costa.

“Nossa escola de jornalismo foi criada em 1947, quando não havia exigência do diploma.”

Marina Coratto, 22, aluna de jornalismo do Mackenzie, concorda. “Acho que vale a pena [fazer a faculdade de jornalismo], porque, ao contrário do que possa parecer após a queda do diploma, o que aprendemos aqui não é descartável.”


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: